domingo, 6 de junho de 2010

Erase and Rewind



















“E os grandes mexem no dinheiro dos pequenos. Se me dão licença, o banco da Caixa é mais espaço e, assim como assim, é do Estado.”


Hoje sabemos que havia lugar no banco para todos… os totós. Eu própria poderia ter sido uma se tivesse a minha pequena fortuna a descansar no BPN.

Quem não foi parva foi a Catarina Furtado, uma das protagonistas da campanha do ex-Banco, que pensou que a melhor forma do pessoal se esquecer da sua trágica ligação ao BPN seria dando a cara pela Caixa Geral de Depósitos.

A propósito disto, apraz-me estabelecer a seguinte analogia: isto dos bancos é como as praias – vamos sempre à mesma até ruir uma encosta.

















Eu era tão boa cliente no BPN, mas afinal não era só eu que mexia no meu dinheiro. Na Caixa mereço muito mais.”

6 comentários:

Anónimo disse...

A verdade escondida comprar na FNAC Clube Bilderberg

Ass:.

Lek disse...

A regra é: em publicidade dá-se a cara (e tudo o resto) a quem... pague!

Maria disse...

Nem só na publicidade..

Anónimo disse...

Goodbye para ti tambem..

leila disse...

hahaha!
Muito bom!
Amei a anologia com as praias! :P

Maria disse...

Não tarda faz um ano.. quando é que voltas?