quarta-feira, 8 de outubro de 2008

Pobretes, mas alegretes (gays)

Há dois dias, viveu-se a segunda-feira mais negra desde 1987.

As bolsas de todo o mundo fecharam com as piores sessões de há muito. A Bolsa de Lisboa viveu ontem o dia mais negativo da história do PSI-20, com uma queda de 9,9%, tendo-se evaporado 10 mil milhões da bolsa de Lisboa. O Estado perdeu hoje 531 milhões de euros. O Grupo Sonae, 85,1 milhões. O Grupo Américo Amorim, 452 milhões. Portugal perdeu num ano aquilo que acumulou nos últimos quatro. Há gigantes a falirem todos os dias e as injecções para reanimarem os mercados financeiros não estão a surtir efeito. A Islândia, o quinto país mais rico do mundo, pode ser, dentro de alguns dias, uma ilha na bancarrota.

Perante a conjuntura mundial, a discussão em torno do casamento homossexual afigura-se, para mim, essencial. É nela que tenho depositado o meu pensamento 24 sobre 24 horas. Deito-me e levanto-me a pensar nisso, inclusivamente quando estou a cortar as unhas dos pés, acto que pratico uma vez por mês.

Trata-se, claramente, do assunto de maior relevância na actualidade e não poderia concordar mais com os deputados do Bloco de Esquerda, esquerda coxa, em geral, e esquerda obtusa, em particular, quando dizem que este é o momento mais oportuno para o discutir em Assembleia, longas tardes a fio.

8 comentários:

R2D2 disse...

You're getting better and better everyday. Bravo! Clap clap clap

Lek disse...

Phoda-se!
Esta miuda qualquer dia rapa o cabelo e manda tatuar suásticas.
Humpf! que cena mais abichanada.

Alminha Mariana disse...

Opa, ainda bem que temos um bloco de esquerda para dar alguma animação aos assuntos cinzentos da assembleia! Sim, porque é só para isso que eles servem.

Happinêss disse...

lek, lek...

sabes bem que não...
mais ano, menos ano, o casamento entre homossexuais será aprovado na legislação...

Acho é que é leviano achar-se que é o momento certo para se discutir...

Lek disse...

Mas o Governo tem maioria parlamentar, só discute o que bem entender, quando entender. Além de que, se lhes derem trabalho não se perde nada, sempre se quebra o tédio em S.Bento e os moços distraem-se um bocadinho.

E estou convencido que alguns (muitos) d'eles estão fartos de ser noivos, querem de uma vez por todas usar aliança.

Leididi disse...

O problema é que isso nem devia ser discutido, porque esta igualdade consiste em mudar o fim de uma frase na legislação, não custa nada. Pelo andar da carruagem haverão sempre coisas mais importantes para discutir e a igualdade vai ficando pelo caminho. O Estado também não escolhe quem paga impostos, por isso também não pode escolher quem é que pode ou não ter direitos.Mas isto sou eu que acho.E toma lá um beijinho que já não te vejo há que tempos.

Happinêss disse...

leididi,

Repara, se porventura o casamento entre homossexuais tivesse sido aprovado na sexta-feira passada, ficaríamos sem ouvir do Bloco de Esquerda durante um tempo considerável, e como sabes, isso tornar-se-ia monótono...

Just kiding!
Eu falo assim do Bloco porque convivi 5 anos da minha vida no seio deles... Logo, sinto-me à vontade para o fazer, não me levem a mal =)

Aproveito para sublinhar que sou completamente a favor da união entre quem quer que seja, só assim faz sentido o 13º artigo da Constituição da República:

Artigo 13.º
(Princípio da igualdade)

"1. Todos os cidadãos têm a mesma dignidade social e são iguais perante a lei.

2. Ninguém pode ser privilegiado, beneficiado, prejudicado, privado de qualquer direito ou isento de qualquer dever em razão de ascendência, sexo, raça, língua, território de origem, religião, convicções políticas ou ideológicas, instrução, situação económica, condição social ou orientação sexual."

E continuo a questionar-me, com base neste artigo, o motivo pelo qual este direito não está já contemplado em legislação... Porém, acalmo-me, porque tenho a certeza que em breve será aprovado.

Agora, muito sinceramente, eu estou preocupada com a crise. E abrir a televisão e ouvir "o sr. ministro há que convir que este é o momento certo para se discutir os direitos dos homossexuais, é preciso que nos sentemos e discutamos esta matéria a sério e agora", em plena Segunda-feira negra internacional... dá-se-me um certo aperto no coração...

Leididi disse...

lol
Não estejas preocupada com a crise, ainda não nos estamos a afundar. Só metemos um bocadinho de água.